Justiça Federal manda computar votos impugnados na eleição da UFCG em Cajazeiras


antonio-fernandes-01

O Tribunal Regional Federal da 5ª Região, com sede em Recife divulgou nesta sexta-feira (24), uma decisão que pode mudar a direção do Centro de Formação de Professores (CFP), da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), campus de Cajazeiras.

A professora Lígia Calado havia sido eleita diretora na última eleição do Centro de Formação de Professores, mas o resultado foi contestado judicialmente.

A decisão foi resultado de Agravo de Instrumento movido pelo opositor de Lígia, o professor Antônio Fernandes, em requerimento a apuração de votos pendentes existentes da eleição para escolha de diretor do CFP.

O advogado do professor Antonio Fernandes, Helejunior Bento, contestou a eleição alegando que ocorreu um ato arbitrário por parte da Comissão Eleitoral ao não proceder a apuração dos votos da Professora Elvira Teixeira e do servidor administrativo Marcelo José Pinheiro, o que, em decorrência da pequena margem de diferença existente no resultado das eleições passadas, pode alterar o resultado e empossar Antonio Fernandes como novo diretor.

Segundo o advogado, a comissão eleitoral deve proceder a imediata computação dos votos que se encontram em aberto, para que após venha a ser apurado o efetivo resultado das eleições e a conclamação dos eleitos, visto que até os votos apurados o resultado soma uma diferença entre os candidatos de menos de 1 %, tendo a chapa encabeçada pela Professora Lígia Calado 50,27% dos votos e a chapa dirigida pelo Professor Antônio Fernandes com um percentual de 49,73%;

“Se estes votos forem declarados para o professor Antonio Fernandes, o resultado das eleições terá uma reviravolta e ele será declarado o novo diretor do Centro”, declarou Helejunior.

E agora? – Órgão Colegiado da UFCG, que se encontra com reunião marcada para o próximo dia 14 de fevereiro deverá realizar a decisão do processo administrativo que ainda se encontra em aberto em relação as eleições passadas proceder de forma a não ferir a decisão judicial proferida em sede de medida liminar.

DIÁRIO DO SERTÃO

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *