A Faisqueira do Gazeta

Coluna semanal do jornal Gazeta do Alto Piranhas

A farra com o suado dinheiro público Ao menos 20 suplentes tomarão posse no Congresso Nacional em janeiro para mandatos relâmpagos antes do fim da atual legislatura. Por um período inferior a um mês, eles receberão vencimentos que podem chegar a quase R$ 72 mil.

A farra com o suado dinheiro público Os suplentes ocuparão as vagas de parlamentares eleitos ou contemplados com cargos nos governos estaduais e federal, que tomarão posse a partir do dia 1º de janeiro, incluindo aí a vaga de deputado federal de Jair Bolsonaro, eleito presidente da República.

A farra com o suado dinheiro público Mesmo no mês de “férias” do Congresso, os novos parlamentares receberão o salário de R$ 33,7 mil e ainda poderão acumular outros benefícios, como auxílio-moradia, de R$ 3,8 mil.

A farra com o suado dinheiro público Quem assumir a suplência pela primeira vez, poderá ainda receber o equivalente a mais um salário, de R$ 33,7 mil, como ajuda de custo para início do mandato, o chamado auxílio-mudança.

A farra com o suado dinheiro público Uma vez empossados, os suplentes terão direito também à cota parlamentar que varia de R$ 30,7 mil a R$ 45,6 mil dependendo do Estado de origem para gastos com passagem aérea, com funcionários e demais custos do gabinete.

A farra com o suado dinheiro público Somando o gasto com todos os suplentes que poderão assumir em janeiro (sem contar a cota parlamentar), o valor pode chegar a cerca de R$ 1,42 milhão. Um país deste não pode ser levado a sério, ao ser ver tanto dinheiro gasto com atos que podem até ser legais, mas profundamente imorais. Viva a democracia!

Faz tempo Mesmo com dois deputados estaduais, aliados do futuro governo da Paraíba, tudo leva a crer que a cidade de Cajazeiras não vai “emplacar” nenhum nome no time titular sob o comando de João Azevedo. Poderá segundo se comenta, ter o nome da ex-prefeita Denise Albuquerque, no segundo escalão. Os cajazeirenses não se lembram mais quando teve um secretário de estado. A cada dia a cidade fica mais pobre de líderes? Porque será?

Nem pintada de ouro O prefeito Zé Aldemir está mais do que convencido que tem que tomar algumas medidas para pagar os funcionários municipais dentro do mês trabalhado. O espelho de qualquer gestor nos atuais dias tem que passar necessariamente pela folha de pagamento. Pode até pintar de ouro as ruas que o seu brilho será tirado pelo atraso do funcionalismo.

Mais impostos O vereador Rivelino Martins foi o único vereador a se posicionar com seu voto contra o aumento de tarifas e impostos em projetos enviados pelo prefeito à câmara municipal de Cajazeiras. Um gesto louvável a favor do povo que já vive massacrado com tantos impostos.

Gesto de gratidão O presidente da Assembléia Legislativa da Paraíba presenteou a cidade de Cajazeiras, nas comemorações natalinas, com o belíssimo Auto de Natal, abrilhantado ainda com o Coral da Assembléia. Gervásio Maia foi campeão de votos, em Cajazeiras, na sua eleição para deputado federal.

Online O prefeito de Cajazeiras, médico José Aldemir, está passando o final de ano com a família na cidade do Rio de Janeiro, onde mora uma de suas filhas, mas não desgruda da cidade e tem “cutucado” seus auxiliares, principalmente o gabinete, com no mínimo um telefonema a cada 15 minutos. Zé saiu de Cajazeiras, mas Cajazeiras não saiu dele.

VIA GAZETA DO ALTO PIRANHAS

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *